O que é o Método McKenzie® de Diagnóstico e Terapia Mecânica® (MDT)?

Recent post
Categories
Precisa de ajuda?

Fale com a gente :)

O Método McKenzie® de Diagnóstico e Terapia Mecânica® (MDT, do inglês Mechanical Diagnosis and Therapy®) é um método, internacionalmente reconhecido, de avaliação e tratamento da dor na coluna, pescoço e extremidades, desenvolvido pelo fisioterapeuta neozelandês, Robin McKenzie. Ele vem sendo amplamente utilizado em todo o mundo, há mais de 30 anos.

Profissionais treinados em MDT podem avaliar e diagnosticar todas as áreas do “sistema musculoesquelético”. Isso significa que, se houver um problema na articulação ou músculo da coluna, pescoço ou extremidades, uma avaliação por MDT pode ser apropriada.

O MDT é uma filosofia de educação e envolvimento ativo do paciente, em que profissionais da saúde e pacientes do mundo inteiro confiam e usam para problemas de coluna, pescoço e extremidades. Dentre as abordagens disponíveis, o MDT é o método de fisioterapia mais pesquisado atualmente.

Sua característica fundamental é a avaliação inicial – uma maneira segura e confiável para alcançar um diagnóstico mecânico preciso e só depois traçar o plano de tratamento adequado. Testes caros, como ressonância magnética e tomografia, são frequentemente desnecessários. Profissionais certificados em MDT são capazes de identificar rapidamente se o método vai ou não ser eficaz para cada paciente.

Na sua essência, o MDT é uma abordagem abrangente baseada em princípios e fundamentos sólidos, que, quando bem compreendida e aplicada, é muito eficaz.

EM QUE CONSISTE MÉTODO MCKENZIE®?

AVALIAÇÃO

O MDT começa com o terapeuta anotando a história detalhada dos seus sintomas e como eles se comportam. Ele vai pedir que você faça certos movimentos ou fique em certas posições. A diferença principal entre a avaliação do MDT e de outras abordagens é o uso de movimentos repetidos em vez de movimentos simples. As mudanças causadas por esses movimentos repetidos ou posições mantidas nos seus sintomas e na amplitude dos movimentos dão ao terapeuta a informação que ele vai usar para classificar o seu problema.

CLASSIFICAÇÃO

Os pacientes são classificados em três síndromes – Derangement Syndrome, Dysfunction Syndrome, Postural Syndrome – ou no grupo de OUTROS – um pequeno número de pacientes que não se enquadram em nenhuma das três síndromes e são identificados em subgrupos tais como patologias graves, causas não-mecânicas, a verdadeira dor crônica etc. Todas as síndromes e os subgrupos de OUTROS têm definições operacionais claras para permitir sua fácil identificação. Cada síndrome é tratada de acordo com sua natureza única, com procedimentos mecânicos específicos, que incluem movimentos repetidos e posturas mantidas.

TRATAMENTO

Usando a informação da avaliação, o terapeuta vai prescrever exercícios específicos e orientar sobre as posturas que você deve adotar e as que precisará evitar temporariamente. Se seu problema tiver uma apresentação mecânica mais complexa, o terapeuta certificado em MDT poderá aplicar técnicas complementares de terapia manual até que você possa se autotratar. O objetivo é ser o mais eficaz possível no menor número de sessões. Um tratamento que você pode fazer 5 a 6 vezes ao dia tem mais chances de ser eficaz num período mais curto de tempo do que um tratamento aplicado por um terapeuta de 1 a 2 vezes por semana. A ênfase está em envolver ativamente você, o paciente. Isso pode diminuir o número de visitas à clínica, economizando seu tempo e dinheiro. Em resumo, a maioria dos pacientes pode se autotratar com sucesso quando lhe são fornecidas as informações e ferramentas necessárias.

PREVENÇÃO

Aprendendo a autotratar o problema atual, você ganha conhecimento sobre como diminuir o risco de recorrências. Você saberá também lidar rapidamente com os sintomas se eles recorrerem, assumindo o controle do seu tratamento de maneira segura e eficaz. É mais provável que problemas persistentes sejam evitados com o autocuidado do que com tratamento passivo.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn